sábado, 29 de agosto de 2009

Festival da Pinga – Paraty - Rio de Janeiro


No final de semana passado rolou em Paraty o Festival da Pinga. E adivinha quem estava lá, marcando presença? Pois é, eu mesma. Mas não só eu, também foram mamãe, marido, irmãos e a namorada de um deles. Motivo? Não, não foi pela cachaça. Mas até que a gente gostou da bagunça.

Ok, isso está meio confuso, e eu explico. Meu irmão está indo estudar na Alemanha, vai passar no mínimo 2 anos lá, e a família já está em apuros com a saudade. Para amenizar um pouquinho, resolvemos viajar todos juntos em um final de semana. E logo quando surgiu a ideia, pensamos em Paraty. Pois bem, o Festival da Pinga ia acontecer bem no final de semana escolhido. Destino? Sina? Ou apenas uma boa coincidência?

Obviamente a cidade estava lotada, e não havia lugares disponíveis nas pousadas mais conhecidas. O jeito foi apelar pelo maravilhoso e insuperável Google, que rapidinho apareceu com uma pousada que não constava no guia quatro rodas. Minha mãe ligou para lá e, por sorte, ainda havia duas suites vagas. “Opaaaa! São minhas!!!” Foi o que a minha mãe falou para a telefonista da pousada, na maior animação. E eu fico a imaginar como deve ter sido a reação da telefonista, no outro lado da linha, ao escutar minha mãe dar um grito de euforia por conseguir hospedagem para o Festival da Pinga. Deve ter pensado: essa família gosta!

A pousada foi uma boa surpresa. Super charmosinha, bem decorada, com quartos grandes e confortáveis. O café da manhã no dia seguinte estava bem farto, com vários tipos de bolos e frutas. A pousada ainda conta com uma piscina bem legal e um deck para um rio que passa por trás do local. O único porém é a localização, quase na saída de Paraty, e longe do centro histórico para quem não vai de carro. Apesar disso, eu gostei muito do lugar e por isso indico.


Pousada Águas de Paraty
Rua 1 - Lotm Parque Ipê
Paraty - Rio de Janeiro
Tel: (24) 3371-2085/2618
As fotos foram retiradas do website da pousada

Quem não conhece Paraty não sabe o que está perdendo. O lugar é uma graça e o centro histórico, uma coisa fofa. O comércio é muito turístico, mas você encontra nele um artesanato bem legal. Por exemplo, eu comprei uns patos aqui para casa lindos, grandes, feitos de madeira maciça, super artesanais. Paguei uma pechincha. Aqui no Rio, se eu encontrasse estes patos, eles custariam no mínimo três vezes mais. Tudo bem que eu não tenho lugar em casa para colocar os patos, mas isso é somente um detalhe. Eu me apaixonei por eles, fazer o que?

Eles não são lindos? Coisinhas fofas da mamãe!

Agora, uma pausa para 3 confissões:

1) Eu adoro cachaça;
2) Eu fui tirar um cochilo às oito da noite e só acordei no dia seguinte;
3) Eu fui para o Festival da Pinga e não bebi um gole de pinga.

Pois é, aconteceu. Fiquei tão animada com as lojinhas de artesanato que esqueci a marvada. Andei, andei, andei, e claro, capotei. Estava tão cansada que nada me tirou da cama. No dia seguinte? Mais lojinhas, e a cachaça coitada foi para o ralo. Assim como também foram todas as fotos que eu gostaria de ter tirado do Festival. Vou ficar devendo. Mas entre uma comprinha e outra, consegui tirar estas fotos do centro histórico.

Essa loja era no mínimo interessante. Alguma vez já ficou bêbado só de olhar? Para tudo tem uma primeira vez na vida...

Para compensar esta minha falta de pinga, ou melhor, de fotos, trago aqui uma ótima dica gastronômica. A 20 minutos de Paraty, o restaurante Le Gite d'Indaiatiba não decepciona nem os mais exigentes. Ele é comandado por um francês e uma brasileira, que já moraram na África. Ou seja, culinária francesa abrasileirada com toques africanos. Conseguem imaginar? Enfim, só sei lhes dizer que a comida é simplesmente maravilhosa.

Para chegar ao Le Gite é meio complicado. Pegue a Rodovia Rio Santos sentido Rio de Janeiro, e vire a esquerda no km 558, logo após uma placa indicando “Graúna”. Daí siga toda vida até chegar a um vilarejo com uma igreja da Assembléia de Deus. Então vire a direita e siga pela estrada de terra a esquerda da estrada asfaltada. Continue por mais uns 2 quilômetros, e você encontrará o restaurante. O horário de atendimento é das 13:30h às 20:30h. Programe-se.

A vista do restaurante

O salão interno

Uma das entradas: ceviche de peixe branco com frutas. Sensacional.

Os pratos principais, das esquerda para direita: muqueca de siri catado, beef bourguignon e lulas ao curry caseiro. A mistureba ficou uma delícia. De lamber os beiços.

Le Gite d´Indaiatiba
Rodovia Rio-Santos (BR 101) – km 558
Graúna – Parati
Cel: 024-9999-9923
Tel: 024-3371-7174
contato@legitedindaiatiba.com.br
http://www.legitedindaiatiba.com.br/

E como tudo que é bom acaba rápido, nosso final de semana em família terminou num piscar de olhos. A volta foi longa e cansativa, mas valeu muito a pena. Irmão querido, vou sentir saudades, mas sei que o tempo passa rápido, e logo logo estaremos todos juntos novamente perambulando por aqui. Enquanto isso, não se esqueça de reservar o sofá cama e de conectar o skype. Ah, e também não se esqueça do mais importante: nós te amamos muito!

9 comentários:

  1. Oi Carol!Sou de São Paulo e já estive 2 vezes em Paraty, a segunda vez foi no último Reveillon e também tive o prazer de conhecer o Le Gite!Realmente a comida é maravilhosa e a hospitalidade dos donos é a essência do lugar!Lembrando que junto do restaurante eles tem a pousada, e para quem não quer ter dificuldade em achar o local, eles possuem um heliponto!(infelizmente não foi meu caso rs..)Beijos!!

    ResponderExcluir
  2. Oi Vivian, muito bem lembrado!!!
    Eu não cheguei a conhecer a pousada pessoalmente, mas pelas fotos do site parece bem legal!
    Beijos e obrigada pelo comentário :)
    Carol

    ResponderExcluir
  3. Isabel O., Portugal23 de setembro de 2009 07:14

    Olá Carol
    vou pôr o seu blog nos "Meus Favoritos"
    Já vi que também gosta de literatura, pode ser que dê para ir trocando impressões. Às vezes os livros são aí publicados com outros títulos, tenho que tirar a ideia pelo sentido.
    Eu gosto de ler em português do Brasil. Nas duas vezes que aí estive sobraram-me sempre reais e gastei em livros nas livrarias dos aeroportos. Poesia vária, Nelson Rodrigues e outros...
    Também já estive em Paraty e adorei. Pena não ter dormido, mas estávamos em casa de um tio do meu marido que vive aí há eternidades, e tem casa em Ubatuba. Fomos de transporte público (dois autocarros cheios até mais não - era véspera de Natal) e foi uma aventura. Pena ter chovido muito (deu para ver o sistema de drenagem na cidade, que até é engraçado). Mas também das duas viagens apanhei sempre imensa chuva. Fiquei um bocado traumatizada, tenho que confessar. Sou uma descarada amante dos dias de sol.
    Nota a propósito da pinga - eu até beberia mais caipirinha (bebida nacional por cá nos últimos anos), mas sou também um bocadinho fanática da elegância e isso tem calorias que se farta)
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  4. Oi Isabel, que bom receber seu comentário. Obrigada por colocar meu blog nos seus favoritos, obrigada mesmo :)
    Vamos trocando impressões sim. Tenho tentado ler o máximo que posso, e por coincidência tenho em minha lista de espera um livro de um autor português: José Saramago.
    Que pena que você só pegou chuva em Paraty. Mas não desista. Paraty com sol é outra história. Se tiver mais uma oportunidade, não deixe de tentar...
    Já esteve aqui no Rio? Quando?
    Bjinhos :)

    ResponderExcluir
  5. Isabel O., Portugal24 de setembro de 2009 11:01

    Olá
    Já estive no Rio depois da semana com os tios na zona de S.Paulo/Ubatuba, em Dezembro de 2004. Depois fomos sozinhos (eu e marido) num autocarro nocturno, chegando ao Rio em alta madrugada numa estação cheia de gente mal encarada. Tinhamos tudo combinado para um senhor de uma empresa nos ir buscar, mas foi um início um pouco sinistro.
    Estivemos uma semana, incluindo a passagem de ano. Gostámos imenso mas ficámos um pouco fustrados de ter deixado imenso para ver. Demos voltas, nem sempre estivémos na cidade. Fomos a Petrópolis, a antigas fazendas de café, no Vale da Paraíba...
    Nessa altura ainda não conhecia ninguém do VnV. Teria sido giro contactar pessoalmente alguns dos que andam pelo Blogue do Ricardo Freire ou da Majô... ou do seu.

    ResponderExcluir
  6. Carol,

    Andei e voei com vocês. Também adoro Paraty!

    ResponderExcluir
  7. Bom Dia Carol,

    Estava procurando uma pousada no google para passar o ano novo com os meus pais e acabei caindo aqui no seu blog rsrs...
    Eu li tudo, curti muito o que você escreveu.
    Parabens ;)

    ResponderExcluir
  8. Oi Anderson!
    Que bom que gostou, fico muito honrada!
    Ando um pouco sumida, mas logo logo voltarei a postar.
    Bjos!

    ResponderExcluir